2 de dez de 2010

meu hoje

O sol brilha lá fora, esta muito quente hoje, o dia apresenta-se bonito.
O dia de ontem, não sendo muito normal, foi um daqueles dias que já me habituei a ter. De vez em quando tudo parece perder o sentido e cria-se um desespero cá dentro, uma angústia enorme, a juntar ao fato de estar meio assim sabe...
     Sei como resolver essa angústia. Com música e lágrimas. Já me aconteceu mais vezes, já desta forma simples resolvi esses dias. E ontem assim foi...
Há dias, tantos dias. 
Tantos sentimentos experimentamos no decorrer de todas as horas, de todos os tempos passados. Hoje estamos assim, amanhã nem sabemos o que nos espera.


"A quietude e o bem estar afeta-me."


Não consigo parar quieta, simplesmente fazer com que a minha cabecinha pare de vez em quando. É isto para aqui, o outro para ali.
Irritas-me de vez em quando sabias?




O mais importante depois de uma roda viva lá em baixo é levantarmos a cabeça, sozinhos ou com ajuda, não interessa, e continuarmos o nosso caminho. Continuarmos a vivê-lo com a mesma intensidade e seguirmos tudo o que desejamos porque, uma coisa aprendi, se temos esta oportunidade de viver, vamos desperdiçá-la atrás de sonhos que são dos outros? Cada um de nós consegue estar "sozinho", conseguimos aguentarmo-nos a nós mesmos nas piores das alturas, e aí, quando conseguirmos fazer isso, iremos olhar para o nosso lado e verificar que existem perto de nós pessoas simplesmente maravilhosas. Descobri tantas nestes últimos tempos, pessoas mesmo grandes para guardar para sempre no meu coração, cada uma com as suas formas e feitios, que me respeitam e eu respeito-as. Partilhamos alegrias, stresses, sorrisos, birras, más caras ou feitios tortos. Tudo, desde o que é muito bom até ao pior.


Cada um de nós representa uma obra de arte a ser completada e construída ao longo da nossa vida. Há pessoas bonitas, mas mesmo tão bonitas, com tanta coisa para nos ensinar e mostrar, pessoas estas que agarras a sua mão e ela mostra-nos um mundo completamente diferente.


Agarrei imensas mãos, mesmo que as pessoas não notassem, agarrei-me a elas e descobri mundos maravilhosos, recheados de coragem, simplicidade, conflitos, aprendizagens, memórias, força interior, orgulho, compreensão até alegrias para distribuir a quem o visitasse!
    Hoje estou bem, sinto-me mesmo bem, é isso!

Não sonho.
Não imagino.
Desejo que me desejes.
Desejo que venhas e preenchas aquele espacinho.
Abraça-me.

Nenhum comentário:

Postar um comentário